terça-feira, 23 de junho de 2015

Suflê de Queijo - ma ra vi lho sooo!! Pratos de inverno




Souffle, em francês (que virou suflê por aqui), significa sopro, alento, respiração...Não é necessário falar mais nada, né? A leveza deste prato o torna uma iguaria e lembra exatamente isso: um sopro...E é mesmo um alento nestes dias friozinhos do nosso inverno, que acabou de chegar por aqui.

Esse tamanhão dele todo é quase que 50% só de ar. Dá para imaginar? É como comer uma nuvem quentinha e muuuito gostosa!





Sim! Como vocês já perceberam, eu amo suflê. Fazer um suflê causa medo na maioria das pessoas, mas não deveria! É tranquilo de fazer, mas deve ter respeitadas as etapas: fazer o roux, "cozinhando" bem a farinha para que ela perca seu sabor e sua acidez, funcionando apenas como um espessante (ou seja, para engrossar, encorpar o creme); depois de fazer o creme, deixá-lo esfriar bem antes de juntar as gemas e, especialmente, as claras; e, para estas, usar um estabilizador (limão, vinagre branco ou cremor de tártaro) e ausência de gordura e umidade no batedor e na vasilha da batedeira ajudam bem. Eu lavo bem com detergente tanto o batedor quanto a vasilha da batedeira (para retirar qualquer vestígio de gordura) e passo um paninho com álcool antes de usar (este, para retirar qualquer umidade).





Eu quero muito que todo mundo faça e possa aproveitar o conforto desta nuvenzinha quente acalentando o estômago (e a alma!) numa noitinha de inverno. Por isso trago todos os passos e digo para vocês fazerem! Vai dar certo e vai ser a maior delícia!!

Para variar, falei um bocado. Está tudo explicadinho aí embaixo. Vamos à receita??



INGREDIENTES

- 3 colheres de manteiga
- 3 colheres de sopa de farinha de trigo
- 1 xícara de leite integral
- 6 ovos
- 1 xícara de queijo gruyère  ou prato
- noz moscada, sal e pimenta do reino a gosto
- 1 colher de café rasa de suco de limão ou meia colher de café de cremor de tártaro* (para estabilizar as claras)
- manteiga para untar e queijo parmesão para polvilhar (a forma e a superfície do suflê)

* cremor de tártaro ou bitartarato de potássio é o que se forma nos barris de vinho durante a fermentação do suco de uva e pode se formar nos vinhos engarrafados que não estejam maduros. É a famosa "borra" do vinho. Esta "borra" é coletada e purificada para produzir o pó branco que é usado na culinária e em outras finalidades domésticas. A sua acidez o faz funcionar, dentre outras coisas, como estabilizador das claras de ovos. Nas pesquisas que fiz, pude entender que ele não é nocivo à saúde, não contendo produtos transgênicos.


MODO DE FAZER

Leve a manteiga ao fogo em uma panela para derreter. Quando estiver borbulhando, junte a farinha e mexa bem e constantemente, deixando no fogo por um minuto, mexendo sempre, para que a farinha tenha seu sabor suavizado e perca a acidez. (você acabou de fazer um roux, base de molhos e cremes utilizada na culinária francesa).  Ainda no fogo, sem parar de mexer, junte o leite. Mexa até virar um creme. Reserve até esfriar. Depois de frio, junte as gemas, uma a uma, misturando bem. Coloque sal (prove o queijo que irá usar para ver a concentração de sal e dosar a quantidade a ser adicionada), pimenta do reino e noz moscada. Bata as claras com gotas de limão (o limão serve para estabilizar as claras, assim como o vinagre branco, e pode substituir tranquilamente o cremor de tártaro, que tem a mesma função)  em neve. Elas devem ficar firmes, mas formando picos (como na foto abaixo). Ou seja, não fica tão dura. O limão vai ajudar a não passar do ponto. Junte umas duas colheres bem cheias da clara na mistura feita previamente e mexa até misturar bem, para amolecer a mistura e possibilitar que se junte o restante das claras sem perder a aeração. Depois que tiver misturado esta parte de claras, incorpore o restante vagarosa e delicadamente. Tudo incorporado, é a hora de juntar o queijo e misturar com cuidado (sempre atento para não perder a aeração das claras). Colocar nos ramequins ou em um refratário de 1,5 litro , untados com manteiga e polvilhados com farinha de trigo. Levar ao forno pré aquecido a 200ºC por uns 25 minutos. Não abra o forno antes deste tempo! Servir imediatamente, porque ele murcha rapidinho com o choque térmico (sair do forno quente para a temperatura ambiente). 
Mas, se não comer tudo, aquele suflê que sobrou não é perdido! Apenas ele perderá aquela leveza que tem na hora que sai do forno, mas eu não me importo nem um pouquinho de comer a sobra baixinha...









Se fizerem, por favor, contem para mim!!



terça-feira, 16 de junho de 2015

Bem Casado - todos os segredos e dicas!




Bem casado (ou bem nascido) parece um docinho bem ingênuo, simplesinho de fazer. Ledo engano. Não é que seja difícil, longe disso. Mas é temperamental. Os passos precisam ser seguidos super à risca para que a gente consiga chegar num resultado maravilhoso.

A receita tradicional, que é aquela que vai sem fermento, é a mais saborosa na minha opinião. É a que resulta num bolinho macio, de sabor delicioso e delicado e que desmancha na boca. Essa maciez vem dos ovos muuuuuito bem batidos, da pouca quantidade da farinha e do uso da fécula de batata. A fécula de batata é um espessante natural, assim como o amido de milho. Embora ambos sejam espessantes, tanto o amido (que é um espessante aéreo, pois é extraído das partes comestíveis aéreas dos vegetais), como a fécula ( que é um espessante subterrâneo, pois é extraído das partes comestíveis subterrâneas dos vegetais - raízes, tubérculos), eu prefiro o uso da fécula de batata ao uso ao do amido de milho, pois  esta não contém ingredientes transgênicos. Mas, na falta de um, pode usar o outro.

O recheio...Não sou contra as inovações nos recheios, mas confesso que tenho um apego à tradição. Quando você morde um bem casado, espera o sabor do doce de leite (sem coco, sem castanhas etc). Não é verdade? Então, um doce de leite de excelente qualidade é a melhor cola para esse bolinho, é o casamento perfeito, é...um bem casado!

Vou mostrar aqui todos os passos, os ingredientes e a forma que eu faço. Não pule nenhuma etapa, tenha paciência a você não vai se arrepender!



Vamos à receita.

INGREDIENTES

Massa (faz vinte bem casados - 40 solteiros hahaha)

- 2 gemas
- 2 ovos inteiros
- 100 grs de açúcar
- 1 colher de sopa de açúcar vanille
- 1 colher de sopa de extrato de baunilha
- 80 grs de farinha de trigo
- 50 grs de fécula de batata

Calda (pode regar até 100 bem casados - adapte para a quantidade que precisar)

- 400 ml de água
- 1 colher de sopa de suco de limão
- 125 grs de açúcar cristal

MODO DE FAZER

Bolo

Separe duas gemas, descartando as claras. Dos outros dois ovos, separe as claras das gemas, reservando as claras. Passe as gemas todas por uma peneira, sem apertar com a colher, deixe-as escorrer normalmente. Junte as duas claras com as 4 gemas peneiradas e os 100 grs de açúcar na vasilha da batedeira e bata em velocidade máxima por 20 minutos (não menos que isso!). Misture em uma vasilha à parte os demais ingredientes, exceto o extrato de baunilha e peneire-os. Aqui peneirar faz diferença! Após as claras estarem batidas, tire da batedeira e fora dela, sem voltar, junte delicadamente o extrato de baunilha e os ingredientes secos, misturando tudo com um fouet apenas até estar tudo incorporado. Coloque em uma assadeira retangular de 30 x 45 cm, de parede baixa (como as assadeiras para rocambole, biscoito, bolo de rolo), untada com manteiga, forrada com papel manteiga e untada novamente muito bem sobre o papel manteiga. Espalhe bem direitinho com uma espátula, acertando a superfície. Leve ao forno pré aquecido a 180ºC e asse por 10 minutos (faça o teste do palito no centro da massa). O bolo não fica corado, fica bem clarinho. Retire do forno e deixe esfriar completamente.
Após estar bem frio, cortar com um cortador redondo de 5 cm de diâmetro. E ir colocando as bandinhas sobre uma assadeira polvilhada com açúcar peneirado. Feito isso, recheie com doce de leite e una as metades. Tudo com cuidado, pois é uma massinha muito delicada. Reserve até o dia seguinte em local arejado (não ponha na geladeira).

Calda

No dia seguinte, fazer uma calda levando ao fogo a água, o açúcar e o suco de limão até levantar fervura, com bolhas por toda a panela, inclusive no centro. Após ter levantado fervura, tire a panela do fogo e a coloque sobre uma frigideira com água fervente, fazendo um banho maria. Isso é necessário porque a calda engrossa na medida em que esfria. Feito isso, comece a banhar os bolinhos, mergulhando-os rapidamente pela calda e depositando-os sobre um tapete de silicone ou sobre papel manteiga. Deixe secar por 8 horas. Então vire-os, colocando a parte que já secou, aquela que estava por cima, virada para baixo, sobre uma grade, para secar do outro lado. Deixe secar por mais 10 horas no mínimo. Se o dia estiver úmido, levará mais tempo para secar. Você saberá que secou se não sentir o bolinho melado quando tocar.
Só então poderá embrulhar. Mas, eles devem ser passados por papel de seda branco ou por celofane antes de serem envolvidos por qualquer papel colorido, especialmente se for utilizar papel crepom (neste caso o celofane é o mais indicado!). Isto é muito importante para evitar que os corantes do papel sejam absorvidos pelos bolinhos.



O ideal é fazer de 3 a 4 dias antes da data que pretenda servir ou entregar (se for vender), para garantir que fiquem sequinhos (pois o tempo úmido realmente atrapalha). Se quiser acelerar o processo, pode posicionar um ventilador (com as hélices absolutamente limpas, para não voar nenhum pozinho sobre o doce) em velocidade baixa na direção dos bolinho, ou, ainda, colocar um desumidificador de ambientes no local onde for deixar eles secarem (é o que eu faço). Mas ainda assim espere até estarem bem sequinhos.

Tomara que gostem, que aproveitem, que façam os outros felizes comendo e vocês mesmos felizes (comendo, vendo os outros comerem ou ganhando uma graninha vendendo!). Depois me contem!!



terça-feira, 9 de junho de 2015

Receita Retrô: Bala de Coco - alfenins...



Comecei minha aventura pela bala de coco no sítio que minha mãe tinha em Sorocaba. Logo que me casei, passamos uns três meses ali porque meu marido (hoje ex) tinha transferido a faculdade para lá. Eu estava no segundo ano de direito na PUC-SP e não consegui a transferência para a faculdade de Itú. Então, eu vinha para São Paulo umas três vezes por semana para ir à faculdade e nos outros dias ficava no sítio praticamente sozinha o dia inteiro.
Sempre fui de acordar muito cedo, então os dias eram beeeem longos. Acordava, ia dar um passeio com a vaca Nobreza (que, acreditem, me seguia que nem um cachorrinho! tudo para ganhar goiaba!! hahaha); tomava banho no riozinho, ia para a horta, para o pomar... Aí, chegava de volta à casa, fazia o almoço e, quando eu ia ver, eram 9 e 30 da manhã!! hahahaha
Nessas eu achei os livrinhos de receita do açúcar União, que minha mãe tinha guardado. Foi o que bastou para que eu fizesse e testasse um monte de receita das antigas. Fazia, fazia e guardava tudo para meus pais, que iam nos finais de semana para lá.
Em um destes livrinhos havia uma receita de bombom de cereja envolto em uma bala de coco esfarelada. Consequentemente, tinha a receita da bala de coco. Obaaaaaaa!!!


Eu vibrei!! Tinha na boca a lembrança das balas de coco que comia na infância em Socorro (interior de São Paulo), nas férias de julho, que passávamos inteirinhas em Águas de Lindóia. A gente chegava na cidade e, bem na entrada, tinha uma casinha com uma escadinha que você subia e caia direto na cozinha. A doceira e sua filha faziam os doces, e a moça ia vender em uma cestinha de palha pela cidade. A maior alegria era quando a gente chegava lá e ela estava terminando de puxar a bala de coco... Ela, a bala, ainda estava puxa e a casa inteira cheirava coco...

Eu simplesmente tinha que fazer!



E foi assim, pelas lembranças que eu peguei aquela receita de bala de coco e fui para o fogão. Acertei algumas vezes, errei outras e fui treinando, até que cheguei à receita e, especialmente, ao modo de fazer que dá certo! E vou dividir com vocês! 



Os passos devem ser seguidos direitinho e, aí, você terá estes delicados alfenins. Doces doces doces, mas que derretem na boca... é irresistível!


Chega de blá blá blá e vamos ao que interessa. 

INGREDIENTES:

- 200 ml de leite de coco (veja como fazer seu leite de coco aqui)
- 200 ml de água
- 1 quilo de açúcar refinado

MODO DE FAZER:

Misturar os ingredientes em uma vasilha, bem misturado (eu misturo com a mão, para mexer bem todo o açúcar) e então virar em uma panela funda e grande. Eu faço essa mistura separada para evitar que fique açúcar nas paredes da panela e aumente o risco de cristalizar o açúcar (leia: açucarar a calda). Então leve ao fogo baixo com uma concha mergulhada na mistura (para evitar que derrame ao ferver, pois sobe como o leite). Esta clada deve atingir o ponto de bala dura, ou ponto de vidro. Explicando: você verifica o ponto colocando um pouco da calda em uma vasilha com água e juntando com os dedos faz uma bala firma. Aí, você joga essa balinha em uma superfície de metal e faz um barulho de vidro batendo. 
Toda esta explicação, para o caso de você não ter um termômetro. Se você tiver, a calda atinge seu ponto ao chegar a 125ºC. Estando no ponto, retira-se a clada do fogo e despeja-se lentamente sobre um mármore untado com manteiga. (Há quem diga que a manteiga pode fazer a bala ficar rançosa, mas a minha nunca ficou. Se tiver dúvida, use margarina - eu nunca uso porque nunca tenho margarina em casa). Deixe esfriar por uns dois minutos no máximo, sem mexer. Há muita receita ensinando que você deve começar a mexer com uma espátula logo que põe a bala no mármore. NÃO faça isso. É uma calda fervendo. Se você começar a mexer a chance de açucarar é muito maior. 
Bem, passados os dois minutos, você, delicadamente, vai dobrando as bordas para dentro e dobra a mistura no meio, com cuidado, sempre experimentando a temperatura, pois haverão partes bem quentes. Aí, você transfere a mistura para outra parte untada do mármore que esteja fria. Aí, deixa uns segundos e transfere novamente para outra parte fria. 
Quando for suportável mexer, você começa a puxar as pontas e dobrar para o meio. E puxa novamente e dobre. Repete este operação até que bala comece a ficar perolada. Neste ponto, vai uma dica: assim que ela começar a ficar perolada, forme uns quatro rolinhos de bala e torça cada um. Aí começa a trabalhar puxando um de cada vez. Isso, porque, a medida que você começa a trabalhar a massa puxando, se acontecer de passar do ponto de puxar (puxar mais do que deve ou a bala esfriar, sim, porque ela é cortada ainda quente, ela pode começar a esfarelar. Se isso acontecer, corte os outros rolinhos sem puxar mais. O que vai acontecer é que eles podem ficar meio disformes, mas secarão e ficarão ótimos também. Ou seja, melhor puxar menos que mais, até você pegar o jeito).
Assim que ficar esbranquiçado, pode cortar, com uma tesoura untada com manteiga e deixe descansar até o dia seguinte. Se quiser (e eu sempre quero!) experimente as balas enquanto ainda não secaram...fica puxa, uma delícia! Não precisa guardar na geladeira. As balas duram uns 20 dias tranquilamente.



A explicação foi looooonga, mas necessária! hahaha Anos fazendo bala de coco! Todos os aniversários dos meninos eu fazia...agora, faço para a Clarinha, minha netinha linda!!!!

Espero que tenham gostado e que aproveitem!! Se fizerem, me contem!!!


domingo, 7 de junho de 2015

Marina Mott - Receita Passo a Passo - Torta Trufada





Minha irmã mais velha é daquelas que cisma com um doce ou um prato qualquer e é capaz de pegar o carro e viajar para repetir a experiência. Numa destas ela comeu uma torta e queria porque queria comer de novo.

Aí, ela trouxe o folheto de preços da doceria, me mostrou a foto e pediu para eu tentar fazer. Hahahaha

Assim, sem ter comido, apenas vendo a foto.A única indicação era que tinha gosto de trufa.



Bem, fui para a cozinha e saiu esta torta trufada:





E ficou a maior delícia!! Pensa: uma base de chocolate, com chocolate em cima, terminando com mais uma camada de chocolate...e a textura é maravilhosa...nhamm

A receita desta trufa é diferente, porque pensei numa trufa que pudesse desenformar e que fosse cremosa. Posso pedir uma coisa?? Façam! Experimentem! Depois me contem se gostaram!!

INGREDIENTES

massa
-200 grs bolacha maizena triturada
- 1 colher de cacau em pó
- 100 grs de manteiga derretida

1ª trufa
- 500 grs de chocolate ao leite picado
- 80 grs de manteiga sem sal
- 4 colheres de leite
- 3 colheres de creme de leite fresco ou de caixinha

2ª trufa
- 500 grs de chocolate branco picado
- 80 grs de manteiga sem sal
- 4 colheres de leite
- 3 colheres de creme de leite fresco ou de caixinha

MODO DE FAZER (veja no vídeo abaixo)




MARINA MOTT - BOLO SUECO DE CHOCOLATE - KLADDKAKA - SEM GLÚTEN E SEM LACTOSE






Adoro estes bolos de chocolate bem intenso...quando a gente consegue sentir bem o gosto do cacau. E agora, chegando o inverno, fica ainda melhor!





Estava num dilema terrível: tenho uma receita de um bolo assim que recebi de um amigo e, junto com a receita, veio o pedido: não passa essa receita para ninguém!

Ai meu São Cipriano! Esse é um pedido muito difícil de acatar, porque ei! sou euzinha, que adoro mostrar tudo que é receita...e, ei!, tenho um blog de receitas!

Só que eu prometi (buáááá) e sou leal.

Mas, então, xeretando aqui e ali, me deparei com uma receita da Linda Lomelino, do Call me Cupcake, um blog sensacional, com fotografias e bolos lindos! O aspecto é o mesmo, e, tirando o café, a receita é quase gêmea! Oba!!!! Assim pode, né??!!

Só faltava testar...

Testei e voilà!! Maravilhoso!!! E mais: sem glúten e, usando o chocolate apropriado, sem lactose!

É com muita alegria, então, que apresento este Bolo Sueco de Chocolate, ou, Kladdkaka! Tcharammm..









INGREDIENTES:

250 grs de manteiga
250 grs de chocolate (sem glúten e sem lactose, se houver intolerância) 50% a 70& cacau picado 
100 ml de café 
4 ovos
180 grs de açúcar
1 pitada de sal

MODO DE FAZER (veja no vídeo abaixo).

Tomara que vocês façam e comam e se sintam tão felizes quanto eu me senti, ao passar a receita para vocês!!







sexta-feira, 15 de maio de 2015

Marina Mott - Receita Passo a Passo - Naked Cake - Parte 01





Vou dividir todos os passos de como fazer o bolo, o recheio, a cobertura e montar este lindo e delicioso Naked Cake. Criei esta receita com a maior alegria, porque simplesmente adoooro fazer bolo! E adoro mais ainda enfeitar com flores e frutas (aqui, só frutas!).

E sabe por quê? Porque bolo sempre está relacionado a momentos de alegria, de festa, de prazer. E, quando faço um bolo, antecipo todos estes sentimentos e sei que vou fazer parte, de alguma maneira, de um momento muito bom! nem que seja aquele da antecipação da primeira garfada!

O passo a passo está aqui:








Veja a continuação desta receita aqui.



Me contem se tentaram e se gostaram!!

Massa Versátil - Pão, Pizza, Focaccia - Passo a Passo - Parte 1





Aprendi essa receita há muito tempo. Nunca anotei, fui alterando e nem sei mais qual era a original. Adoro ela, porque é super fácil, sem complicação e, eu juro!!, mesmo quem nunca fez pão na vida, ou acha que "não tem mão" para massa, vai conseguir fazer!!

E mais: com essa massa, podemos fazer Pizza e Focaccia também!!



Não precisa muita sova, quase nada, na verdade, porque a massa é bem emulsionada e tem um pulo do gato. Quer ver?? Perdoando todas as falhas de uma iniciante em vídeos (hahaha), assista e veja como faz:





Veja a continuação do vídeo aqui.

Ingredientes:

- 1 kg de farinha de trigo
- 2 colheres de sopa de açúcar
- 30 grs de fermento biológico em pó
- 1/2 litro de água morna
- 2 ovos
- 1/2 xícara de azeite
- 2 colheres de sopa de leite em pó
- 2 colheres de sopa de sal

Tomara que gostem!! Se fizerem, me mandem a foto!!

terça-feira, 7 de abril de 2015

Minha receita de Pão de Queijo! Crocante, corado e delicioso!!



Ah...um pãozinho de queijo quentinho na hora da fome é tudo de bom, né? A receita de pão de queijo, na verdade, é conhecida de todos, tendo algumas variações em relação à proporção dos ingredientes e no tipo de polvilho usado. Cheguei a minha receita após várias experiências, ajustando as proporções a meu gosto.

Fica sensacional! O segredo está, além das medidas,  na qualidade dos ingredientes e no queijinho parmesão que eu polvilho por cima, que deixa uma casquinha fininha, dourada e crocante!

O que ajuda a deixá-lo com esse dourado apetitoso também é o ovo caipira, que tem a gema com cor...de gema de verdade! hahaha

É fácil de fazer e pode ser feito todinho numa planetária, com o batedor de raquete. Quer ver só:



INGREDIENTES

- 250 grs de polvilho azedo
- 250 grs de polvilho doce
- 200 ml de leite
- 100 ml de água
- 100 ml de óleo de girassol
- 1 colher de sopa de sal
- 300 grs de queijo meia cura ralado (se conseguir o da Serra da Canastra, que é de leite cru, não pasteurizado, melhor!)
- queijo parmesão para polvilhar

MODO DE FAZER

Levar a água, o leite, o óleo e o sal para ferver. Colocar os polvilhos na bacia da batedeira, armada com o batedor de raquete. Quando ferver a mistura de líquidos, jogar sobre a mistura de polvilho e ligar a batedeira em velocidade mínima, parando para raspar a pá de vez em quando. Deixar bater por uns 5 minutos, para a mistura ir esfriando. Aí, ainda batendo, juntar 1 ovo e, quando ele estiver totalmente incorporado, juntar o segundo e deixar bater até estar totalmente incorporado também. Colocar o queijo e bater até estar bem misturadinho. Fazer as bolinhas molhando a mão na água, para não grudar. Rolar as bolinhas em queijo parmesão, colocar em assadeira com papel manteiga, deixando um espaço entre as bolinhas,  e levar para assar a 250ºC em forno pré aquecido. Rende + ou - 34 pães de queijo grandes. Se não quiser assar tudo, colocar as bolinhas em uma assadeira sem papel nem nada e levar ao congelador. Quando estiverem congeladas, tirar da assadeira e colocar em um recipiente, mantendo no freezer até usar.







Agora a melhor parte: comer!!!!!!!!!!!!




terça-feira, 31 de março de 2015

Os segredos do meu brigadeiro!!



Com a gourmetização do brigadeiro, começaram a aparecer uma série de alterações na receita. Eu até chamo de brigadeiro gourmet, pois assim as pessoas sabem do que estou falando, quando me reporto ao brigadeiro branco com fava de baunilha, chocolate branco belga etc. Mas na real, brigadeiro é brigadeiro.

domingo, 22 de março de 2015

O Bolo de Chocolate - com buttermilk, um dos melhores que já fiz!! E, Ganache à base de água!



Pensa num bolo de chocolate fofo, mas ao mesmo tempo denso e úmido...feito com cacau 100%....É esse. Sem exagero, um dos melhores bolos que já fiz!! É sensacional! E, para melhorar, nada de batedeira! Tudo misturadinho na mão!
O segredo é

sexta-feira, 20 de março de 2015

Manteiga Caseira de verdade!! A receita direitinho! e Qual é a do buttermilk??





Manteiga é tudo de bom! Aliás, tudo feito com manteiga ganha qualidade e sabor! E quando a manteiga é feita em casa??? Sem conservante, só a pura nata?? M A R A V I L H A!!

Fazíamos muita manteiga quando minha mãe tinha um sítio em Sorocaba/SP e criava vaca jersey. O leite é gordo, uma beleza! Era um tal de fazer queijo, manteiga, doce de leite...hummmm

Agora não tenho mais fornecedor de leite in natura, com a alteração da lei, todo leite e produto derivado deve ser pasteurizado...O queijo minas, depois disso mudou totalmente na minha opinião. Ficou borrachudo. Tenta derreter para ver. Não é mais o mesmo.  Queijo de leite cru, como chamam agora, só o da Serra da Canastra é comercializado no Brasil (que eu saiba! se estiver errada, me corrijam!).

Aí que eu tinha comprado dois potes de nata só porque eu tinha ido ao Zaffari, supermercado, e encontrei aquela nata do Sul, da marca PIÁ, muuuito mais em conta do que em qualquer outro mercado por aqui em São Paulo. Fiquei enrolando para fazer alguma coisa, o tempo foi passando e no final das contas faltava só uma semana para a nata vencer.

sábado, 14 de março de 2015

Mac and Cheese



Adoro assistir séries. E, é raro uma série americana na qual não apareça o macarroni and cheese, o tal do mac and cheese. Aí, a Bá, minha caçula, sempre quis experimentar e eu sempre achei que fosse uma tranqueira, afinal, aqui no Brasil, o cheddar, que é o astro deste prato, é super processado, vai farinha, uma monte de queijo misturado, leite em pó e por aí vai...  Enfim, nada atrativo em termos nutricionais. Mas...desde que fizemos pela primeira vez, não paramos mais. Claro que é gordice total e é só para comer de vez em quando, mas é muuuito gostoso!! Vale a transgressão!!