segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Ratatouille ... só que não!





Aí, procurando uma receita de ratatouille rápida, me deparo com uma da francesa Meirelle Giuliano, autora do best seller Mulheres Francesas Não Engordam (quem me dera!) - hahaha. Ela ensina um tipo de ratatouille super fácil e delicioso! Você coloca todos os ingredientes de uma vez numa panela de fundo grosso (uso a de ferro esmaltada), tampa e deixa cozinhando. Bem, dei uma adaptada na ordem dos ingredientes e na quantidade de tomates (que eu aumentei). 

Desde que peguei esta receita, faço praticamente toda a semana. Dura bem na geladeira e fica excelente para comer quente ou frio, com pão (nhammm) ou acompanhando uma carne, um arroz, outros legumes etc. Uma das vezes que fiz, deixei secar mais do que devia, ou seja, esqueci a dita da panela no fogo e quando me dei conta, desliguei correndo e mexi bem rápido para evitar que o fundo queimasse com a quentura da panela. Não é que do  ratatouille  original, criou-se um antepasto maravilhoso? A partir de então eu deixo secar bem e faço assim, como uma conserva, um antepasto.

Olha só como é fácil:

INGREDIENTES

- abobrinha
- beringela
- tomate
- alho
- manjericão
- azeite
- sal, pimenta do reino
obs.: quanto menor os legumes, melhor o sabor, assim, procuro sempre os vegetais orgânicos e escolho os menores e mais firmes!

A proporção é de 1 de abobrinha, 1 berinjela, para dois tomates, 8 dentes de alho e folhas de manjericão. O azeite, o sal e pimenta a gosto.

MODO DE FAZER

Cortar a abobrinha, a berinjela e os tomates na horizontal em fatias médias para finas. O alho, cortar na vertical em fatias fininhas. Colocar numa panela com fundo grosso o azeite e uma camada de berinjela. Por cima, colocar a abobrinha, depois os tomates e colocar o alho e o manjericão. Repetir as camadas. No final, colocar sal, pimenta do reino e regar com mais azeite (ou não - se estou numa semana mais ligth nem ponho). Neste eu ainda coloquei ervas de provence, mas só porque eu quis. Tampe a penela e deixe cozinhando em fogo baixo. Aí há 3 opções: 1) pode-se tirar quando ainda tem um caldo e servir numa tigela, os vegetais e o caldo (o caldo é uma delícia); 2) Pode deixar apurar mais um pouco, secando mais o caldo e servir como acompanhamento; ou, ainda, 3) Pode secar todo o caldo e misturar bem, servindo como um antepasto ou mesmo acompanhamento. Eu prefiro esta terceira opção, porque o alho e a pimenta ficam mais apurados. Com pão ou um assado é uma delícia! Qualquer uma das opções, servir após 20 minutos depois de pronto.
Dura uma semana tranquilamente na geladeira e pode ser congelado.






terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Brioche de Nutella - sensacional!!



Recebi pelo facebook, do namorado da minha sobrinha Mariana, o André, o link da receita deste brioche. Cliquei no link e vem um vídeo com as etapas de preparação. Fiquei com aquela comichão incurável de fazer. Ponderei, clamando para o bom senso, que sempre me abandona quando enfio alguma coisa na cabeça (leia-se: quando quero alguma coisa -  seja fazer, ou comprar, ou falar, ou resolver etc), e pensei: ah, tá muito calor pra mexer com massa de brioche...ah, ninguém vai comer isso aqui em casa com esse calor etc...

Porém...paralelamente a isso, comprei tudo que precisava para fazer a dita cuja. Hahaha. Aí, vejo que postaram o mesmo vídeo para a Gina (do NacoZinha). Ai, Cristo! Depois de ver mais uma vez, não resisti e fui fazer. Depois de feito, vi que, além da Gina, a Angela (do Ora Pitangas!!!) estava ensaiando para fazer (com inspiração) e que a Raquel (do Na Biroskinha) já tinha feito um lindão (aqui). Ou seja, a gente não tem conserto mesmo! Todo mundo babando no tal do brioche!


A receita é a que está no site Torta al Cioccolato, mas alterei o modo de fazer a massa, especificamente a fermentação, pois na receita, a orientação é para deixar a massa fermentando no forno com a luz acesa. Jamais conseguiria trabalhar no calor com a massa desta forma. Aí, fiz a massa na maneira francesa, com fermentação lenta, na geladeira. Olha só:


INGREDIENTES:

- 250 grs de farinha
- 20 grs de açúcar
- 12 grs de fermento biológico seco
- 3 gramas de sal
- 4 ovos
- 190 grs de manteiga derretida (em temperatura ambiente)


MODO DE FAZER

Em uma vasilha coloque os ingredientes secos e junte os ovos um a um, amassando sempre (fiz na batedeira com o gancho de massa). Após o último ovo, juntar a manteiga derretida e amassar até homogeneizar bem a massa (fica mole, grudenta). Colocar a massa em uma vasilha e cobrir com um plástico e levar à geladeira por, pelo menos, 3 horas. Após este tempo, enfarinhar bem a mesa de trabalho e as mãos e formar uma bola com a massa (que estará mais firme, pois a manteiga endureceu na geladeira), mas sem agregar mais a farinha à massa. Dividir esta bola em 4 partes iguais e abrir quatro discos de massa de aproximadamente 23 cm de diâmetro. Colocar o primeiro disco sobre uma forma coberta com tapete de silicone ou papel manteiga e sobre a massa passar uma camada de Nutella, deixando mais ou menos um cm sem Nutella nas bordas. Cobrir com o segundo disco e cobrir esta massa também com Nutella. Cobrir com o terceiro disco, passar Nutella sobre ele e finalizar cobrindo com o quarto disco de massa. Neste ponto, eu acertei as bordas da massa com uma faca, para deixar redondinho. Aí, colocar um copo virado de boca para baixo no meio da massa, e fazer 4 cortes. Cortar cada quarta parte ao meio, e cada metade desta pela metade (veja na foto). Após, torcer cada pedaço duas vezes. No final, juntar as pontas da massa de duas em duas, como na foto abaixo. Pincelar com gema e levar ao forno pré aquecido (200ºC) por mais ou menos 20 minutos. Aí, e só comer!!!!! Que delícia!!!!







segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Minha receita de Pesto!






A receita tradicional de Pesto leva pignole, e é bem gostosa, não nego! O pignole é um ingrediente nobre, é a semente de uma qualidade de pinha que nasce no Mediterrâneo que, pelo que li e ouvi falar, demora em torno de 100 anos para começar a produzir. Aqui no Brasil é caríssimo (já vi a mais de mil reais o quilo!) e ainda corremos o risco de comprar pignole vindo de outros lugares (especialmente China), proveniente de outra espécie de pinha, que, em muitas pessoas, deixa um gosto amargo ou metálico na boca por alguns dias após a ingestão.   
Na minha opinião, o manjericão é o rei do Pesto e tem um gosto tão acentuado que rouba muito do paladar suave dos pignoles. Muita gente diz que o pignole é indispensável para o preparo do Pesto, mas eu discordo. Acho que conseguimos fazer um Pesto maravilhoso substituindo o pignole por nozes.E, assim, podemos reservar os pignoles para enriquecer um arroz, um kibe, enfim, para uma receita na qual  seja possível sentir toda a riqueza de seu sabor. 

Experimente a minha receita e depois me conta!

INGREDIENTES (para aproximadamente 800 gr de massa)

- 2 maços de manjericão (só as folhas)
- 100 grs de nozes
- 1 dente grande de alho
- 1/4 de xícara de azeite
- queijo parmesão, grana pardano ou pecorino ralado (+ ou menos 50 gr)

MODO DE FAZER

Colocar no processador as folhas do manjericão (sim, pode ser congelado!) e processar. Colocar o alho e processar novamente. Colocar o azeite e o queijo de sua escolha e processar novamente. Colocar as nozes e pulsar algumas vezes. Aí, após a massa estar cozida em água com sal, levar uma panela ao fogo alto com azeite e colocar o Pesto e deixar refogar um pouquinho*, para dourar o alho apenas. Desligar, colocar a massa e misturar. Verificar o sal e se necessário acrescentar. Servir regado com mais azeite. 
*Muita gente coloca o Pesto sem aquecer na massa. Eu dou esta "refogadinha" para suavizar o sabor do alho, porque não gosto dele cru...

Para fazer a sua própria massa, vai aqui.



DICA: sempre tenho manjericão em casa. Para você conseguir o seu, pois depois de um tempo a planta mãe morre, compre um vasinho, destes de mercado, corte uns galhinhos e coloque em recipente de vidro com água. Deixe enraizar e plante em vaso com terra tratada (comprada facilmente no CEASA, em floriculturas, mercados etc..), fazendo apenas uma cova com os dedos e cobrindo delicadamente a raiz com terra. Molhe em seguida. Sempre plante no final do dia ou nas primeiras horas da manhã. Aí, quando esta planta pegar, corte mais galhos e deixe enraizar novamente e plante novamente e vá sempre fazendo isso. Assim terá sempre manjericão em casa.


sábado, 17 de janeiro de 2015

Pão sem Sova do Jim Lahey,dono da Sullivan St Bakery - maravilhoso!!


Esse pão não é nenhuma novidade, eu sei, eu sei... Mas continua sendo a receita mais sensacional de pão para se fazer em casa. A ideia dele foi a maior sacada! Dele, do Jim Lahey, dono da Sullivan St Bakery em NY.

Jim Lahey estudou escultura antes de aprender a arte de assar pão na Itália. Quando ele voltou para Nova York, em 1994, ele abriu Sullivan St Bakery no Soho. Lahey tornou-se conhecido não apenas pelo seu pão, mas por suas pizzas em estilo romano, seus doces rústicos e biscoitos italianos. Sua inovadora receita de pão sem sova foi uma revolução na arte do pão caseiro em todo o mundo, e a receita foi publicada pela primeira vez em um artigo de Mark Bittman no The New York Times em 2006. Este artigo tornou-se a base de Lahey para o seu primeiro livro de receitas: My Bread: The Revolutionary No-Work, No-Knead Method.

Agora, tanto tempo depois de a receita ter rodado pela internet, eu acho que é um bom momento para lembrar aqueles que já viram e de apresentar para quem ainda não viu. Vale muuuuito a pena fazer! É fantástica, tanto pela facilidade, quanto pela textura e pelo sabor do pão.



Olha só a facilidade (tirei a receita daqui)

INGREDIENTES

- 430 gr de farinha (3 xícaras)
- 345 gr de água (1 1/2 xícaras)
- 1/4 de colher de chá de fermento biológico seco - é só isso mesmo!
- 1 1/4 de colher de chá de sal
(ele fala para untar uma vasilha com óleo para colocar a massa para crescer, mas não é necessário)

MODO DE FAZER

misturar os ingredientes secos, colocar a água e mexer não mais que um minuto com as mãos ou com uma colher de pau. Cobrir e deixar descansar por 12 horas (eu sempre cubro pão com um plástico por baixo do pano e, podem rir, mas uso aquelas toucas plásticas descartáveis que a gente pega nos hotéis - hahahaha). Após estas doze horas, a massa estará cheia de bolhas. Então, colocar farinha na mesa de trabalho e colocar ali a massa e apenas "virar" cada lado dela para dentro formando uma bola (NÃO acrescentar mais farinha, NEM A DA MESA, que só está lá para conseguirmos dar uma moldada no pão. A massa fica toda mole, meio disforme). Aí, colocar BASTANTE farelo de trigo, ou aveia, ou farinha de trigo ou quinua em flocos ou o que você quiser sobre um pano de prato e colocar a massa com a parte lisa para cima. Colocar mais farelo sobre a massa (bastante) e fechar o pano de prato. Deixar crescer mais duas horas. Passadas uma hora e meia, ligar o forno na temperatura máxima e colocar dentro dele uma panela de ferro com tampa (a minha panela não é da Le Creuset, é do Pão de Açúcar e tem uns 23 cm de diâmetro na boca), e deixar esta panela aquecendo no forno nesta meia hora que resta para o crescimento do pão. Passado este tempo, retirar a panela do forno, abrir a tampa e, com cuidado, colocar o pão lá dentro. Fechar e voltar com a panela para o forno. Deixar assando por meia hora. Aí, tirar a tampa e deixar mais 15 minutos no forno para dourar. PRONTO!!

Dá uma olhadinha no vídeo dele aqui.É demais!! Façam!! Ou, façam novamente!!